A abordagem indutiva contextual da série lingua latina per se illustrata de Hans Henning Ørberg

Alessandro Jocelito Beccari, Cláudia Valéria Penavel Binato

Resumo


Este artigo apresenta uma proposta para o ensino de latim com base em um conjunto de materiais didáticos em que se identifica uma associação entre diferentes abordagens: a Abordagem Textual, a Abordagem Textual Ad Hoc, a Abordagem Comunicativa (AMARANTE, 2013, p. 104) e a Abordagem Direta (FARIA, 1959, p. 220; LEFFA, 1988, p. 5).  Resulta dessa associação uma abordagem eclética, conhecida em inglês como method of contextual induction, metodo induttivo-contestuale (RICUCCI, 2013, p. 352), em italiano (abreviado como MIC), que neste artigo receberá o nome de Abordagem Indutiva Contextual (AIC).   A série Lingua Latina per se Illustrata (LLPSI) de Hans Henning Ørberg é o conjunto de materiais em que essa abordagem é aqui considerada.   LLPSI consiste de livros-textos, cadernos de exercícios, gravações em áudio e volumes ancillaries (auxiliares) que visam ao ensino do latim como uma língua viva do passado (DEZOTTI, 1992, p. 29).  De acordo com a AIC, o ensino de uma língua estrangeira deve contar principalmente com a intuição do falante; como consequências dessa regra, na série LLPSI, todos os materiais podem ser usados sem que o professor ou estudante necessite recorrer constantemente à tradução ou mesmo a um dicionário.  Este artigo procura demonstrar que LLPSI é um exemplo de materiais didáticos em que há aderência consciente a princípios da Abordagem Direta (BROWN, 2000, p. 21) e a metodologias próximas às da Abordagem Textual Ad Hoc, da Abordagem Comunicativa e da Abordagem Textual.  Após apresentar a Abordagem Direta e a Abordagem da Gramática e da Tradução (AGT) por meio de uma revisão histórica, este artigo procura explicar como conceitos inspirados na Abordagem Direta dão forma à Abordagem Indutiva Contextual de Hans Ørberg.


Palavras-chave


Didática do latim. Abordagem direta. Abordagem textual ad hoc. Abordagem indutiva contextual. Lingua Latina per se Illustrata.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, J. Dois tempos da cultura escrita em latim no Brasil: o tempo da conservação e o tempo da produção – discursos, práticas, representações, proposta metodológica, 2013. 415f. (Doutorado em Língua e Cultura). Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura. Universidade Federal da Bahia, Salvador.

BARBOZA, J. S. As duas linguas ou grammatica philosophica da língua portugueza, comparada com a latina, para ambas se aprenderem ao mesmo tempo. Coimbra: Real Impressão da Universidade, 1807.

BALME, M.; LAWALL, G.; MIRAGLIA, L.; BORRI, F. Athenaze. Montella: Vivarium novum, 2002.

BORGES NETO. Filosofia da linguística. In: GONÇALVES, A. V.; GÓIS, M. L. de S. Ciência da linguagem: o fazer científico? Campinas: Mercado das Letras, 2012. p. 35-63.

BROWN, H. D. Teaching by principles. S.l.: Pearson Longman, 2000.

BURKE, P. Linguagens e comunidades nos primórdios da Europa moderna. São Paulo: UNESP, 2009.

CHOMSKY, N. The utility of linguistic theory to the language teacher. In: ALLEN, J. P. B.;

CORDER, S. P. (ed.). The Edinburgh course in applied linguistics: readings for applied linguistics. London: Oxford University Press, 1973. p. 234-40.

DEZOTTI, D. O papel do texto documento. In: LIMA, A. D.; BRUNO, H.; PRADO, J. B. T.; DEZOTTI, J. D.; FIORIN, J. L. Latim: da fala à língua. Araraquara: UNESP, 1992. p. 29-31.

ERASMO DE ROTERDÃ, D. Colloquia familiaria. [S.l.:s.n.], 1518. Disponível em: < http://www.stoa.org/hopper/text.jsp?doc=Stoa%3Atext%3A2003.02.0006> Acesso em 26 jan. 2015.

FARACO, C. A. Linguagem escrita e alfabetização. São Paulo: Contexto, 2012.

FARIA, E. Introdução à didática do latim. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1959.

LEFFA, V. J. Metodologia do ensino de línguas. In: BOHN, H. I.; VANDRESEN, P. Tópicos em lingüística aplicada: o ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: UFSC, 1988. p. 211-236.

LONGO, G. A abordagem textual no ensino do latim. Organon, Porto Alegre, v. 29, p. 175-188, jan/jun. 2014.

MARCILIANO, D. Bolsa leva alunos do Ernani ao programa na Unesp de Assis. Voz da terra, v. 52, n. 12.771, p. 7, 19 nov. 2014.

NEBRIJA, A. Gramática Castellana. Madrid: Nueva Imprenta, 1992.

ØRBERG, H. H. P. Verbilii Maronis Aeneis: Aeneis libros i et vi ad usum discipulorum edidit Hans H. Ørberg aliquot versibus demptis. Greena: Domus Latina, 2008.

ØRBERG, H. H. Lingua latina per se illustrata, pars i: familia romana. Greena: Domus Latina, 2003.

ØRBERG, H. H. Lingua latina per se illustrata, pars i: familia romana: exercitia latina i. Newburyport: Focus Publishing (R. Pullins Co.), 2005a.

ØRBERG, H. H. Lingua latina per se illustrata: colloquia personarum. Newburyport: Focus Publishing (R. Pullins Co.), 2005b.

ØRBERG, H. H. Lingua latina per se illustrata: fabulae Syrae. Newburyport: Focus Publishing (R. Pullins Co.), 2011.

ØRBERG, H. H. Lingua latina per se illustrata, pars ii: Roma aeterna. Newburyport: Focus Publishing (R. Pullins Co.), 2004.

ØRBERG, H. H. Lingua latina per se illustrata, pars ii: Roma aeterna: exercitia latina ii. Newburyport: Focus Publishing (R. Pullins Co.), 2007.

PEREIRA, M. A. Quintiliano gramático: o papel do mestre de gramática na Institutio oratoria. São Paulo: Humanitas, 2006.

RICUCCI, M. La dimensione valutativa dell’apprendimento linguistico del greco antigo: contributo per uno studio comparativo del metodo induttivo-contestuale e del metodo grammaticale-traduttivo. EL.LE, v. 2, p. 349-373, jul. 2013.

ROBINS, R. H. Pequena história da lingüística. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1983.

SCHWENGBER, J. Verney leitor de Quintiliano: a apropriação da retórica latina na formação intelectual do séc. XVIII. 2011. 79 f. Monografia (Mestrado em História) Curso de História. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.