Um diálogo entre a Sociolinguística e a Neurolinguística Discursiva sobre a escola pública

Maria Judith Righi Gomes

Resumo


Este trabalho tem por objetivo discutir o fenômeno da exclusão na escola, especialmente na escola pública que atende a população menos favorecida, à luz da abordagem teórico-metodológica da Neurolinguística Discursiva (abreviada como ND), marcada pelo encontro com a Sociolinguística. Essa discussão considera os trabalhos de Freud (1891 e 1895) que descrevem as funções cerebrais envolvidas na linguagem que constituem o sujeito, através de conexões cerebrais que ocorrem entre vias associativas corticais estimuladas pelo contexto sociohistórico. Por este motivo, pudemos vincular e ampliar a reflexão Neurolinguística através da Sociolinguística que estuda a língua em seus contextos reais de uso (Labov, 1972 e Alkmim, 2008). É através da Sociolinguística que podemos refletir sobre a impossibilidade de articular as funções cerebrais e contextos significativos na aprendizagem da leitura e escrita na forma culta enquanto persistir a intolerância, nas práticas pedagógicas, às variedades linguísticas que os sujeitos falantes levam à escola que frequentam.

Texto completo:

PDF