Algumas estratégias de apresentação e fixação de vocabulário na aula de latim

Charlene Martins Miotti

Resumo


Considerando os contínuos avanços alcançados pela Linguística Aplicada nas últimas décadas quanto às técnicas de apresentação e fixação de vocabulário em línguas estrangeiras, julgamos pertinente avaliar como e em que medida estratégias similares de ensino poderiam ser incorporadas às aulas de latim, sem negligenciar as peculiaridades de uma língua clássica. Para tanto, consultamos algumas obras de referência para o ensino de inglês (Brown, 2002; Penny, 2009; Scrivener, 2005; Woolard, 2005), as quais estão sendo utilizadas, até o presente momento, em cursos de treinamento e seleção de professores para escolas de idiomas tradicionais no Brasil, como a Cultura Inglesa. Nosso foco, neste levantamento preliminar, foram atividades sugeridas pelos autores para uma abordagem lexical que favoreça a interação entre grupos de aprendizes iniciantes e intermediários, entre elas: mapa semântico (brainstorm), rede lexical (word web), ilustrações situacionais, composição morfológica (word building), leitura familiar (identifying words we know), eliminar a palavra estranha (odd one out), completar as lacunas (fill the gaps with a ‘pool’ of answers), distinções lexicais (word distinctions), palavras-cruzadas, relacionar as colunas (matching entre palavras latinas e definições em língua materna, sinônimos e antônimos, frases e personagens, prefixos e raízes, substantivos e figuras), jogo da memória, caça-palavras, bingo de vocabulário, forca, STOP etc. 


Palavras-chave


Ensino de latim. Aquisição de vocabulário. Estratégias.

Texto completo:

PDF

Referências


BROWN, H. Douglas. Teaching by principles – an interactive approach to language pedagogy. 2nd ed. New York: Longman, 2002.

CONTE, Gian Biagio; PIANEZZOLA, Emilio; RANUCCI, Giuliano. Il dizionario della lingua latina. Firenze: Le Monnier, 2000.

DEAGON, Andrea. “Cognitive style and learning strategies in Latin instruction”. p. 27-49. In: GRUBER-MILLER, John (ed.). When dead tongues speak: teaching beginning Greek and Latin. New York: Oxford University Press, 2006.

DELATTE, L; EVRARD, Et.; GOVAERTS, S.; DENOOZ, J. Dictionnaire frequentiel et index inverse de la langue latine (L.A.S.L.A). Liège: Université de Liège, 1981. Disponível em:

http://promethee.philo.ulg.ac.be/LASLApdf/Dictionnairefrequentiel.pdf

ERNOUT, Alfred & MEILLET, Antoine. Dictionnaire étymologique de la langue latine: histoire des mots, 3e éd. Paris: Klincksieck, 1951.

FARIA, Ernesto. Dicionário latino-português. Belo Horizonte: Garnier, 2003.

GAIO, Antonio Pereira. Em dia com o latim. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

GLARE, Peter G. W. (ed.) Oxford latin dictionary. Oxford: Oxford University Press, 1996.

GOLDMAN, Norma & ROSSI, Michael. Practice! Practice! A Latin via Ovid workbook. Detroit: Wayne State University Press, 1995.

LIMA, Alceu Dias. Uma estranha língua? Questões de linguagem e de método. São Paulo: UNESP, 1995.

MINKOVA, Milena; TUNBERG, Terence. “Active Latin: Speaking, Writing, Hearing the Language”; “Latim ativo: falando, escrevendo, ouvindo a língua”, tradução de Leni Ribeiro Leite (p. 1-15, no prelo). New England Classical Journal 39.2 (Ratio et Res), 2012, p. 113-28.

MIOTTI, Charlene M. O ensino de latim nas universidades públicas do Estado de São Paulo e o método inglês Reading Latin: um estudo de caso. Dissertação de mestrado, Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, 2006. Disponível em (acesso em 01/02/2015):

http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000377335&fd=

PATRICK, Robert. Latin is not different. Presented at the SALVI VI Board Summit, July 16-21, 2011 at Claymont Estate. Disponível em (acesso em 01/02/2015): http://www.latin.org/resources/documents/Latin%20is%20Not%20Different%20[Patrick%202011].pdf

PENNY, Ur. A course in language teaching: practice and theory. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

RAETICUS, Carolus. Paul B. Diederich’s basic vocabulary of Ancient and Medieval Latin (the Lodge edition). 2nd ed. 19 de dezembro de 2011. Disponível em (acesso em 01/02/2015):

http://hiberna-cr.wdfiles.com/local--files/downloads/Diederich-Lodge-Practice.pdf

ROMANELLI, Rubens C. Os prefixos latinos: da composição verbal e nominal em seus aspectos fonético, morfológico e semântico. Belo Horizonte: UFMG, 1964.

RYDBERG-COX, Jeffrey & MAHONEY, Anne. “Vocabulary building in the Perseus digital library”. Classical Outlook, 79 (4), p.145-9, 2002. Disponível em (acesso em 01/02/2015): http://dl.tufts.edu/catalog/tufts:PB.001.009.00001.

SARAIVA, Francisco R. dos S. Novíssimo dicionário latino-português. 12ª ed. Rio de Janeiro: Garnier, 2006.

SCRIVENER, Jim. Learning teaching: a guidebook for English language teachers. 2nd ed. Oxford: MacMillan, 2005.

VIARO, Mário E. Por trás das palavras: manual de etimologia do português. São Paulo: Globo, 2004.

WOOLARD, George. “Noticing and learning collocation”. English Teaching Professional, Issue 40, September 2005.