A performatividade na linguagem da resistência Kaiowa/Guarani

Antonio JOSÉ FILHO

Resumo


O povo indígena Guarani é formado pelos subgrupos Ñandeva, Kaiowa e Mbyá, porém, localizam-se no sul de Mato Grosso do Sul somente os Ñandeva e os Kaiowa. Por força da própria resistência esse povo não perdeu seu modo de ser e viver, tampouco a língua e os costumes, observa-se apenas algumas modificações marcadas pelo contato com o não-índio. Em função do esbulho de suas terras, os índios guarani: Ñandeva e Kaiowa dispersaram por toda a região dando origem ao movimento denominado esparramo. Posteriormente foram reunidos indistintamente Kaiowa e Ñandeva em áreas reconquistadas e previamente demarcadas com a denominação de reservas indígenas. Desse modo, tais reservas agregaram índios de famílias diferentes da formação tradicional, sendo, pois, inevitável a aproximação entre os dois subgrupos, dando origem a atual organização Kaiowa/Guarani, uma vez que os Ñandeva se autodenominam Guarani. A preservação cultural e lingüística assegurada e mantida pelos Kaiowa/Guarani dizem respeito à hipótese da resistência que direcionou meu trabalho. Essa resistência constitui objeto de análise no âmbito da performatividade da linguagem usada pelos professores índios dessa etnia, na interlocução com o não-índio.


Abstract

The people indigenous Guarani is formed by the subgroups Ñandeva, Kaiowa and Mbyá, however, they are located in the south of Mato Grosso do Sul only Ñandeva and Kaiowa. For force of the own resistance that people didn't lose his way of to be and to live, either the language and the habits, it is observed just some modifications marked by the contact with the no-Indian. In function of the dispossession of their lands, the Indians Guarani: Ñandeva and Kaiowa dispersed for the whole area creating the denominated movement spread. Later they were gathered Kaiowa and Ñandeva faintly in reconquered areas and previously demarcated with the denomination of indigenous reservations. This way, such reservations joined Indians of families different from the traditional formation, being, therefore, inevitable the approach among the two subgroups, giving origin the current organization Kaiowa/Guarani, once Ñandeva self- denomination Guarani. The cultural and linguistic preservation insured and maintained by Kaiowa/Guarani says respect to the hypothesis of the resistance that addressed my work.
That resistance constitutes analysis object in the extent of the performative utterances in the language used by the Indian teachers of that etnia, in the dialogue with the no-Indian.


Texto completo:

PDF