EXPLORANDO UM MODELO COMPUTACIONAL DA AQUISIÇÃO LEXICAL

Rafael Luis Beraldo

Resumo


O problema lógico da aquisição lexical pode ser descrito da seguinte maneira: como a criança pode aprender a associação arbitrária entre som e significado dado que os adultos à sua volta podem estar falando sobre qualquer assunto, usando as palavras que lhes convier? Em outras palavras, que mecanismos cognitivos estão disponíveis para a criança intuir o que está sendo dito e a partir disso adquirir um léxico? Neste trabalho, apresentamos uma revisão crítica do modelo computacional da aquisição lexical proposto por Siskind (1996), acompanhado de uma breve revisão da teoria que o sustenta e das análises alternativas propostas por dois outros modelos. A modelagem computacional constitui uma importante forma de verificar a viabilidade de conceitos provenientes das descrições de crianças em idade de aquisição bem como dos estudos psicolinguísticos. Para que possam ser incorporados a um modelo da cognição, tais conceitos devem ser especificados formalmente, o que pode levar a uma maior compreensão da sua instanciação no cérebro, plausibilidade e consequências. O modelo em questão põe à prova o conceito de aprendizagem transituacional — a noção de que as crianças adquirem as palavras observando o que há em comum entre as suas diversas ocorrências, considerando os contextos linguístico e extralinguístico — em uma simulação da tarefa da aquisição lexical que leva em consideração obstáculos como a incerteza referencial, o ruído e a homonímia. Veremos ainda que apesar de lançar luz sobre muitas questões da aquisição lexical, o modelo discutido ainda deixa aberta muitas portas para investigação.

Texto completo:

PDF