O TRATAMENTO ESTÉTICO DO TEXTO (AUTO)BIOGRÁFICO: UMA PERSPECTIVA DIALÓGICA

Nathan Bastos de Souza

Resumo


o objetivo deste artigo é apresentar uma abordagem inicial sobre o tratamento estético do texto (auto)biográfico que trabalhamos em nossa tese em andamento. Fundamentados na perspectiva dialógica, estudamos enunciados retirados de nosso corpus formado por uma biografia escrita e cinco documentários a respeito de Mercedes Sosa (1935-2009). Os textos suporte dos enunciados estudados (a biografia escrita e os documentários) agrupam uma mistura de gêneros de uma esfera de atividade que temos denominado “esfera do eu” (que englobaria o relato pessoal, a entrevista, a coletiva de imprensa, por exemplo). O recorte que realizamos neste artigo privilegia enunciados que remetam tematicamente à resistência de Mercedes Sosa à ditadura e aparecem em três dos objetos de análise, os documentários “Cómo um pájaro libre”, de 1983, “Algo más que una canción”, de 1985, e “Cantora, un viaje íntimo”, de 2009. O artigo apresenta uma seção teórica em que refletimos sobre a noção de transgrediência formulada por M. Bakhtin; na seção seguinte, esboçamos uma análise ancorada nessa noção para exemplificar o tratamento estético que pretendemos dar ao texto (auto)biográfico na tese em construção.

Texto completo:

PDF