MATERIAIS DIDÁTICOS DE LÍNGUA ESPANHOLA: APAGAMENTO E SILENCIAMENTO DE SENTIDOS EM AULAS DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

Jorge Rodrigues de Souza Júnior

Resumo


Partiremos da relação texto/discurso para tecer um olhar sobre o funcionamento discursivo de práticas de ensino de Língua Espanhola para brasileiros em materiais didáticos. O texto, como materialidade lingüística, formulado intradiscursivamente, é também discurso, dotado de uma memória discursiva (o interdiscurso) que o sustenta e dá condições a determinados sentidos e não a outros – dando condições a certos discursos e dizeres formulados, silenciando outros. Não pensaremos no papel do livro didático na aula de língua estrangeira enquanto artefato, mas sim pensar em seu uso enquanto processo de construção de objetos históricos, ao direcionar dizeres e sentidos, determinados sócio-historicamente (cf. Orlandi, 2001). Discutiremos o uso de instrumentos lingüísticos em processos de ensino e de aprendizagem de uma língua estrangeira, ao estabilizar e homogeneizar dizeres e sentidos e silenciar outros, processo determinante na interpelação de sujeitos-aprendizes à memória de dizeres e sentidos que constituem uma língua.

Texto completo:

PDF