“MEU NOME AGORA É ZÉ PEQUENO”: APELIDOS E POSIÇÕES-SUJEITO

Joice Mensato

Resumo


Uma prática comum entre pessoas que frequentam um mesmo espaço (como estudantes, por exemplo) é o ato de atribuir apelidos para os colegas, entretanto esse gesto determina e é determinado pela posição-sujeito assumida por ele no discurso. Esta pesquisa teve como objetivo analisar, tendo como base os referenciais teóricos da Análise de Discurso e da Semântica da Enunciação, esse deslocamento que o sujeito sofre ao receber um apelido a partir do enunciado “Dadinho é o caralho, meu nome agora é Zé Pequeno, porra” produzido por um dos personagens do filme Cidade de Deus, de Fernando Meirelles. Tal análise foi feita considerando-se que os nomes/apelidos possuem uma historicidade e que ela constitui o sujeito nomeado/apelidado. Do mesmo modo, retomamos o trabalho de Hashiguti (2008) sobre corpo de memória para mostrar os sentidos que o corpo faz circular e como ele entra nesse processo de atribuição de apelidos.

Texto completo:

PDF