A Estética de Samuel Beckett

Renan Salmistraro

Resumo


No período em que se prepara para escrever as obras pelas quais é conhecido – a peça En Attendant Godot e os romances Molloy, Malone Meurt e L’Innommable – Beckett escreve uma série de ensaios sobre os quadros dos irmãos Geer e Bram van Velde e dos pintores Henry Hayden e Jack Yeats. Inclusive aborda a situação da poesia irlandesa do período. Esses ensaios não chegam a constituir uma complexa reflexão estética, porém apontam preocupações quanto à criação artística que são constantes ao longo de toda a sua carreira literária. A partir desses ensaios é possível descrever como Beckett parte de uma estética da relação para uma estética da não-relação. A primeira toma a realidade do “mundo real” como base da representação. Para a segunda, deixa de haver distinção entre “real” e “fictício”. Há apenas uma única realidade que é representada de diferentes formas, seja na arte, seja no mundo real.

Texto completo:

PDF