A ética de andar nas ruas do Rio de Janeiro

Bruno Martins Carvalho

Resumo


Uma leitura do conto de Rubem Fonseca, “A arte de andar nas ruas do Rio de Janeiro” (1992), este artigo explora como os conceitos de Simmel de ponte e de porta podem no ajudar a repensar algumas das distâncias espaciais e psicológicas entre as classes sociais da cidade. Argumentando que o texto insere o personagem principal em uma série de convenções literárias apenas para situá-lo além delas, eu afirmo que uma ética do olhar e do caminhar surge das práticas do protagonista – o qual parece estar bem ciente das limitações da literatura, bem como do leitor implícito do conto. Neste processo, são tratadas questões como planejamento urbano, degradação ambiental, religião organizada, miséria e a corrosão do diálogo.


Texto completo:

PDF