Horácio Sat. 1.4, a comédia de Terêncio e a filiação do gênero satírico

Marcello Peres Zanfra

Resumo


O presente artigo consiste na análise e interpretação da sátira 1.4 de Horácio tomando-a em perspectiva com as três primeiras do livro. Nossa leitura é que 1.4 sintetiza, num momento programático e de definição da genealogia da, sátira, questões poéticas e temáticas trazidas anteriormente. Nesse processo, Horácio se distancia de Lucílio e de seu modelo de repreensão dos vícios, a comédia antiga, adotando como modelo a comédia nova - fabula palliata - por ser coerente com sua persona construída em 1.4 que tem interesse em expor os vícios universais humanos em personagens tipificados e sem o riso excessivo. Por fim, Horácio adota Terêncio como modelo cômico para sua sátira, por meio da representação de seu pai emulando Dêmea, de Adelphoe. Gracejando na sátira sobre os defeitos do mundo e de si mesmo, Horácio adota um riso menos invectivo e mais anódino que permite ao satirista demonstrar maior consciência sobre os vícios humanos.

Palavras-chave


Horácio. Terêncio. 1.4 sátira. Adelphoe.

Texto completo:

PDF

Referências


Fontes antigas

ARISTÓTELES (1993). Poética. Tradução de Eudoro de Souza. 2ª edição. Edição Bilíngue. São Paulo: Ars Poetica.

HORACE (2012). Satires. Book I. Edited by Emily Gowers. Cambridge: Cambridge University Press.

HORACE (1999). Satires, Epistles and Ars Poetica. Translated by H. Rushton Fairclough. The Loeb Classical Library. Cambridge, MA: Harvard University.

HORÁCIO (1984). Arte Poética. Tradução de Rosado Fernandes. Lisboa: Inquérito.

HORÁCIO (2013). Sátiras. Tradução e comentários por Edna Ribeiro de Paiva. Niterói: Editora da UFF.

TERENCE (1998). Adelphoe. Edited by R.H. Martin. Cambridge: Cambridge University Press.

TERENCE (1963). Adelphoe. In: P. Terenti Afri Commoediae. Edited by R. Kauer and W. M. Lindsay. Oxford: Oxford University Press, pp. 273-323.

Literatura secundária

ANDERSON, W. S. (1982). Autobiography and Art in Horace. In: ______. Essays on Roman Satire. New Jersey: Princeton University Press, pp. 13-49.

CUCCHIARELLI, A. (2006). La commedia greca antica a Roma. Atene e Roma. Nuova Serie, Le Monier, LI - Fasc. 4, pp. 157-177.

CUCCHIARELLI, A. (2001). La satira e il poeta. Orazio tra Epodi e Sermones. Pisa: Giardini Pisa.

FAIRCLOUGH, H. R. (1913). Horace’s view of the relations between satire and comedy, The American Journal of Philology, vol. 34, n. 2, pp. 183-93.

FREUDENBURG, K. (1993). Horatian Satire and the conventions of Popular Drama. In:______. The walking muse. Horace on the theory of satire. New Jersey: Princeton University Press, pp. 3-46.

FREUDENBURG, K. (2005). Introduction: Roman Satire. In: The Cambridge Companion to Roman Satire. Edited by Kirk Freudenburg. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 1-32.

GOWERS, E. (2005). The restless Companion: Horace Satires 1 and 2. In: The Cambridge Companion to Roman Satire. Edited by Kirk Freudenburg. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 48-61.

HASEGAWA, A. P. (2011). A fraqueza de Flaco no livro dos Epodos. Rio de Janeiro: 7Letras, pp. 133-144.

HASEGAWA, A. P. Flaccus’ Poetics: Horace-Paris saved by Mercury-Augustus. In: Augustan Poetry, new trends and revaluation. São Paulo: Humanitas. No prelo.

HUNTER, R. L. (1985). Horace on friendship and free speech. Hermes, 113, n. 4, pp. 480-490.

KEMP, J. (2010). A Moral purpose; A Literary Game: Horace, Satires 1,4. Classical World, Volume 104, n. 1, pp. 59-76, Fall.

LEACH, E. W. (1971). Horace’s Pater Optimus and Terence’s Demea: Autobiographical Fiction and Comedy in Sermo, I, 4. The American Journal of Philology, vol. 92, n. 4, pp. 616-632.

MUECKE, F. (2008). The Satires. In: The Cambridge Companion to Horace. Edited by Stephen Harrison. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 105-120.

MURACHCO, F. (2002). Sobre a sátira 2 do livro I de Horácio: Introdução, tradução e análise. Hipnos, Ano 7 / n. 8, pp. 103-124.

SCHLEGEL, C. (2000). Horace and his Fathers: Satires 1.4 and 1.6. American Journal of Philology, volume 121, n. 1 (Whole Number 481), pp. 93-119.

SCHLEGEL, C. (2010). Horace and the Satirist’s Mask: Shadowboxing with Lucilius. In: A Companion to Horace. Edited by Gregson Davis. Malden - Oxford - West Sussex: Wiley Blackwell, pp. 253-270.

ZETZEL, J. E. G. (1980). Horace’s liber sermonum: the structure of ambiguity. Arethusa, vol. 13, n. 1, pp. 59-77.