“Operação Lisístrata”: do teatro ao Ato. A recepção da comédia de Aristófanes nos anos de chumbo da ditadura brasileira

Adriane da Silva Duarte

Resumo


O artigo analisa a recepção que a comédia Lisístrata, de Aristófanes, teve no Brasil durante a ditadura militar, mais especificamente entre os anos de 1967 e 1976. A montagem de Lisístrata (1967), com tradução de Millôr Fernandes e Ruth Escobar no papel principal, teria inspirado um discurso do deputado Moreira Alves (MDB/GB) que serviu de pretexto para a promulgação do AI-5, marco do recrudescimento da ditadura brasileira. Em 1972, Jorge Amado publica Tereza Batista Cansada de Guerra, romance em que a personagem homônima encarna em certos aspectos a heroína aristofânica. Em 1975, Augusto Boal, então no exílio, escreve a peça Lisa, a mulher libertadora, inspirada em Lisístrata. O interesse que a comédia de Aristófanes suscita em nomes expressivos na luta contra governos autoritários sugere que, no Brasil,  a personagem tornou-se um símbolo da luta libertária no período da ditadura.


Palavras-chave


Aristófanes. Lisístrata. Ditadura Brasileira. Ruth Escobar. Millôr Fernandes. Jorge Amado. Tereza Batista Cansada de Guerra. Augusto Boal. Mulheres de Atenas.

Texto completo:

PDF

Referências


de Almeida Prado, D. “Lisístrata”, no Teatro Galpão. In O Estado de São Paulo, Geral, 21/01/1968, 19. Disponível em http://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/19680121-28460-nac-0019-999-19-not . Acessado em 03/05/2016.

de Oliveira, Domingos. Minha Vida no Teatro. São Paulo: Leya, 2010.

Amado, J. Tereza Batista Cansada de Guerra. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

Aristófanes. Duas comédias: Lisístrata e As tesmoforiantes. Tradução, apresentação e notas de Adriane da Silva Duarte. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Aristófanes. A Greve do Sexo. Lisístrata. Tradução de Millôr Fernandes. Porto Alegre: L&PM, 2003.

Gaspari, E. A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

Gouvêa, L. V. B. Maurice Vaneau. Artista Múltiplo. São Paulo: Imprensa Oficial, 2006.

Kushnir, B. Cães de guarda. Jornalistas e censores, do AI-5 à Constituição de 1988. São Paulo: Boitempo, 2004.

Pádua, T. S. O Ato Institucional nº 5 e o Supremo Tribunal Federal como seu “Banco de Prova”: o processo da ‘greve do sexo’ no STF. In Observatório da Jurisdição Constitucional, Ano 5, v. 2, 1-30, 2012. Disponível em http://www.portaldeperiodicos.idp.edu.br/observatorio/article/viewFile/660/547. Acessado em 02/05/2016.

Pitts, B. "O sangue da mocidade está correndo": a classe política e seus filhos enfrentam os militares em 1968. In Revista Brasileira de História, vol.34, n. 67, 39-65, 2014. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882014000100003. Acessado em 02/05/2016.

Rodrigues, E. S. O embate além do sangue e da carne de Ruth Escobar: facetas de uma guerreira. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Teatro, no Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Teatro. Florianópolis: 2015. Disponível online em http://www.ceart.udesc.br/ppgt/teses/2015/tese_eder_rodrigues.pdf. Acessado em 03/05/2016.