Roma et Barbaries: a evolução do conceito de barbárie em Roma Antiga.

Márcio Gouvêa

Resumo


Desde a República, quando Roma expandiu suas fronteiras além da península Itálica, a lida com o conceito de barbárie foi fundamental para a definição da condição cultural da Vrbs e do estatuto de seus cidadãos. Inserindo-se tardiamente no mundo helenístico, Roma precisou consolidar sua condição educacional para ocupar a posição hegemônica no campo civilizacional do Mediterrâneo, como fizera belicamente. Para tanto, o conceito de humanitas, transformado depois nas especificidades da romanitas, tornou-se um divisor capaz de apartar os civilizados dos bárbaros. Bárbaro, portanto, era quem não compartilhava os valores da romanitas. Porém, as transformações por que passou o Estado Romano com o advento do cristianismo inseriram novo componente na definição do bárbaro – o paganismo. Acompanhar o desenvolvimento histórico do conceito latino da barbárie é, pois, uma forma de compreender a história de Roma Antiga.


Palavras-chave


Barbarus. Humanitas. Romanitas. Barbárie. Paganismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARMARIO, Francisco. Los barbaros em Amiano Marcelino. 2001. Tese. Universidade de Cadiz, Cadiz, 2001.

CARDOSO, Zélia A. Estudos sobre as Tragédias de Sêneca. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2005.

CHAMPION, Craige. Romans as βαρβαροι: Three Polybian Speeches and the Politics of Cultural Indeterminacy. Classical Philology, Chicago, v. 95, n. 4. 2000.

CHAUÍ, Marilena. Introdução à História da Filosofia, vol. 2 – As escolas helenísticas. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CITRONI, Mario, et al. Literatura de Roma Antiga. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2006.

DAUGE, Yves. Le Barbare. Recherches sur la conception romaine de la barbarie e et de la civilization. Bruxelles: Colection Latomus, 1981.

DUMONT, Jean P. Elementos de História da Filosofia Antiga. Brasília: Editora UNB, 2004.

FROTHINGHAN, A. L. Diocletian and Mithra in the Roman Forum. American Journal of Archeology, v. 18, n. 2, p. 146-155, 1914.

FUHRER, Therese. Sêneca – sobre a discrepância ente o ideal e a realidade. In: ERLER, Michel; GRAESER, Andréas (orgs.). Filósofos da Antiguidade: do helenismo até a Antiguidade tardia – uma introdução. São Leopoldo: Unisinos, 2005.

GOUVÊA JÚNIOR, Márcio. O Carmen Sacrum de Proba. Nuntius Antiquus, Belo Horizonte, v.5, p. 57-68, 2010.

GRIMAL, Pierre. Império Romano. Lisboa: Edições 70, 1999.

HALSALL, Guy. Barbarian Migrations and the Roman West – 376-568. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

HINGLEY, Richard. Globalizing Roman Culture Unity. London: Routledge, 2005.

JONATHAN, David. The Exclusion of Women in the Mithraic Mysteries: Ancient or Modern? Numen, Pennsylvania, v. 47, n. 2, p. 121-141, 2000.

KONSTAN, David. Cosmopolitan Traditions. In: BALOT, Ryan (ed.). A Companion to Greek and Roman Political Thought. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009. p. 473-484.

KRAUS, Cristina. Bellum Galicum. In GRIFFIN, Mirian (ed.). A Companion to Julius Caesar. London: Wiley-Blackwell, 2009.

MCLYNN, Neil. Pagans in Christian Empire. In: ROUSSEAU, Phillip (ed). Companion on Late Antiquity. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009. p. 572-587.

MOMIGLIANO, Arnaldo. Alien Wisdon – the limits of hellenization. Cambridge: Cambridge University Press, 1971.

OLIVEIRA, Francisco de. Sociedade e Cultura na Época Augustana. In: SOUSA PIMENTEL, Maria C.; RODRIGUES, Nuno S. (Coords.). Sociedade, Poder e Cultura no Tempo de Ovídio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos, da Universidade de Coimbra, 2012. p. 11-36.

ROCHA PEREIRA, Maria. Estudos de História da Cultura Clássica - vol. 2, Cultura Romana. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

SCHADEE, Hester. Caesar's construction of northern Europe. The Classical Quarterly, London, v. 58, n.1, p. 158-180, 2008.

VEYNE, Paul. Humanitas: Romanos e não Romanos. In: GIARDINA, Andréa (ed.). O Homem Romano. Lisboa: Editorial Presença, 1992.

VEYNE, Paul. Quando nosso mundo se tornou cristão. São Paulo: Editora Civilização Brasileira, 2007.

WOOLF, Greg. Becoming Roman – The Origins of Provincial Civilization in Gaul. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.