Magae Romae: as feiticeiras na literatura latina

Márcio Gouvêa

Resumo


Na Roma antiga, a difusão da prática da magia foi um fenômeno decorrente do expansionismo político e territorial, ocorrido a partir do séc. III a.C. Graças ao contato com as mesmas fontes que influenciaram as crenças helenísticas na magia, sua prática logo se difundiu no supersticioso solo latino. Coincidentemente, a própria literatura latina teve sua origem e o início de seu desenvolvimento no mesmo período, razão pela qual os registros literários são fontes diretas e legítimas para a compreensão da forma como a feitiçaria foi recepcionada e tratada pela sociedade latina, desde seus primórdios até o advento do cristianismo. 


Palavras-chave


Magia. Roma. Literatura Latina. Feiticeiras.

Texto completo:

PDF

Referências


BRAUNER, Paula. Um olhar sobre a magia no Epodo V de Horácio. Calíope – Presença Clássica. Rio de Janeiro: Editora 7 Letras. Rio de Janeiro, 2005. p. 118-124.

DICKIE, Matthew. Magic and Magicians in the Greco-Roman World. Ed. Rutledge. London. 2003.

GRAF, Fritz. Theories of Magic in Antiquity. In: MIRECKI, Paul; MEYER, Marvin (ed.). Magic and Ritual in the Ancient World. Leiden: Brill, 2002. p. 93-104.

HENRY, R.M. Medea and Dido. The Classical Review. Cambridge, MA, v. 44, No. 3, p 97-108, 1930.

JANOWITZ, Naomi. Magic in Roman World – Pagans, Jews and Christians. London: Rutledge, 2001.