A inata perversidade: a constituição do narrador de O gato Preto, de Edgar Allan Poe em vítima e seu desfecho algoz

Ana Cláudia Conceição Pereira

Resumo


No contexto da literatura fantástica o conto “O Gato Preto” de Edgar Allan Poe apresenta as variadas facetas de um mesmo ser. Tais faces diversas entre si constituem o mais íntimo do personagem principal. Considerando a análise linear do conto, este trabalho objetiva aprofundar-se no desenvolvimento do narrador-personagem, em seu processo de transformação de vítima a réu. O personagem constituiu-se ao longo da narrativa vítima frente à perversidade, que lhe é inata, e réu quando por conta desta característica executa tragicamente o assassinato daqueles que o amam. A partir da análise é observado que o narrador não compreende – ou se compreende não confessa – ser integralmente o responsável por seus atos. Dessa forma, culpa outros fatores por aquilo que faz. Isso comprova possuir uma particularidade dual – entre o bem e o mal.

Texto completo:

PDF